, Fórum PAS - Prática em Atenção à Saúde 2013

Tamanho da fonte: 
Avaliação da qualidade de vida dos acamados e seus cuidadores, assistidos pelo programa de acamados da UBS Vitória Régia, Sorocaba-SP
Reinaldo José Gianini, Alice Rezende Duek, Antônio Vinícius Pazetti de Oliveira, Artur Fracassi Guerra, Caroline Olivati, Fernando César Matavelli Júnior, Fernando Garcia Scarpanti, Fernando Moreira Gonçalves, Giuliana Franco Facco

Última alteração: 2016-10-17

Resumo


Observa-se um grande crescimento do número de idosos e de jovenssubmetidos a injúrias por causas externas, gerando um aumento progressivo de pacientes acamados. As mudanças nos perfis demográficos e de morbimortalidade da população mundial ao longo do último século e consequentes desafios para os sistemas de saúde explicam o crescente interesse dos pesquisadores pelo cuidado domiciliar à saúde, realizado no âmbito da família e envolvendo cuidadores leigos. Na área da saúde, o interesse peloconceito de qualidade de vida é relativamente recente e decorre, em parte, dos novos paradigmas que têm influenciado as políticas e as práticas do setor nas últimas décadas. Os determinantes e condicionantes do processo saúde-doença são multifatoriais e complexos. Objetivos: Esse trabalho teve como objetivo analisar a qualidade de vida dos acamados e seus cuidadores do Bairro Vitória Régia da cidade de Sorocaba, estabelecendo uma relação direta entre o grau de dependência do acamado e a qualidade de vida do seu cuidador. Materiais e método: Para avaliação da dependência dos acamados e avaliação daqualidade de vida de seus cuidadores foram utilizados o Índice de Barthel e o questionário WHOQOL-bref, respectivamente. Resultados: Observou-se que a maioria dos cuidadores são mulheres (81,82%), com idade acima de 50 anos (63,64%). O cuidador mais jovem apresentava 24 anos, e o mais idoso 82 anos. Quanto a patologias crônicas, 14 (63,63%) dos 22 cuidadores relataram ter algum problema crônico de saúde. Alegaram dedicação exclusiva (acima de 12 horas por dia) 72,73% dos entrevistados, e 45,45% desses são cuidadores há menos de cinco anos. A maior parte da amostra apresentava escolaridade de 8 ou mais anos (68,18%). Quanto ao tempo em que se encontram na situação de acamado, encontrou-se uma variação de 1 a 59 anos, sendo que 59,09% dos acamados se encontram nessa situação por cinco anos ou menos. Avaliando-se o grau de dependência segundo o Índice de Barthel, observou-se que apenas um indivíduo (4,54%) foi considerado Independente, seis (27,27%) indivíduos possuem Dependência Leve, quatro (18,18%) possuem Dependência Moderada, dois (9,1%) possuem Dependência Severa e nove (40,91%) possuem Dependência Total. Conclusões: Não foi possível estabelecer correlação entre o grau dedependência do acamado e a qualidade de vida do cuidador, a partir da análise comparativa entre tais variáveis. Contudo, houve um decréscimo estatisticamente significante na qualidade de vida geral dos cuidadores da amostra, quando comparados a populações controle de outros estudos. Portanto, conclui-se que a função de cuidador gera um impacto negativo na qualidade de vida do indivíduo, havendo a necessidade de estudos com maior casuística a fim de estabelecer a relação entre esse impacto e o grau de dependência dos acamados.

Palavras-chave


qualidade de vida; cuidadores; assistência domiciliária