, Fórum PAS - Prática em Atenção à Saúde 2016

Tamanho da fonte: 
Avaliação de sobrepeso e obesidade infantil: relação com o tipo de aleitamento e peso ao nascer em Aparecidinha, Sorocaba
Fátima Cristina Minari, Alana Rodrigues Alves, Amanda de Carvalho Hipólito, Ana Cristina Pithon Curi, Beatriz Alves Dinamarco, Bruna Calzzetta, Bruno Vaz de Castro

Última alteração: 2017-03-28

Resumo


Introdução: Trata-se de um projeto a ser desenvolvido na abordagem de sobrepeso e obesidade infantil, que apresentam elevada prevalência e caráter multifatorial. Mundialmente. Em 2014, 41 milhões de crianças abaixo de 5 anos pertenciam ao grupo de sobrepesos e obesos. A problemática da alta prevalência da obesidade infantil não diz respeito somente às famílias de maior poder aquisitivo, mas pertence também às de menores condições socioeconômicas. Trata-se de um problema de saúde pública seja para países desenvolvidos, seja para os subdesenvolvidos. A projeção da Organização Mundial da Saúde (OMS), nesse caso, sugere cerca de 75 milhões de crianças com sobrepeso e obesidade, para o ano de 2025. No Brasil, em 2009, 34,8% dos meninos de 5 a 9 anos classificaram-se com excesso de peso e 16,6%, obesidade contra 32% e 11,8% em relação a meninas na mesma faixa etária, respectivamente. Quanto a Sorocaba, as crianças de 5 a 9 anos em 2006, que apresentavam 12,2% de sobrepeso e 10,1% de obesidade. Observou-se que o desenvolvimento de sobrepeso e obesidade pode estar relacionado com o peso ao nascer e o tipo de aleitamento. Objetivos: Verificar a prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças de 2 a 5 anos, no bairro Aparecidinha, Sorocaba-SP, no período de 01 de janeiro de 2016 a 31 de dezembro de 2016, e relacionar com o tipo de aleitamento e peso ao nascer. Além disso, aplicar ações práticas e educativas baseada nos dados obtidos. Métodos: Trata-se de estudo observacional transversal, que será efetuado através da revisão de 647 prontuários, de crianças entre 2 a 5 anos acompanhadas na Unidade Básica de Saúde (UBS) de Aparecidinha, no período de 01 de janeiro de 2016 a 31 de dezembro de 2016. A partir desses dados, a amostra será caracterizada segundo as variáveis: sexo, idade, IMC e verificados os registros de sobrepeso, de obesidade e de relação com o tipo de aleitamento durante os períodos de recém-nascido e lactente e com o peso ao nascer. Os dados serão avaliados pelo método estatístico t de Student.  Um folder informativo será confeccionado para ser distribuído durante todo o ano na UBS às famílias com crianças. Também está prevista a realização de intervenção social com atendimento voluntário à população, com orientação nutricional adequada direcionada às famílias e prática esportiva. Na ação os participantes serão informados sobre os fatores de risco e as complicações da obesidade infantil. Serão aplicados questionários, um baseado em Child Eating Behaviour Questionnaire (CEBQ)Preschool-aged Children’s Physical Activity Questionnaire e outro intitulado, Questionário sobre a frequência alimentar e hábitos saudáveis dirigido a crianças dos 3 a 7 anos, tendo os pais em foco principalmente na alimentação familiar. No início e no fim do ano e será realizada avaliação antropométrica das crianças. Resultados Esperados: Espera-se encontrar uma prevalência de sobrepeso e de obesidade em cerca de 30% das crianças de 2 a 5 anos do bairro de Aparecidinha, conforme os dados do país em 2009. Além disso, espera-se que haja uma correlação positiva entre a ausência ou pouco tempo (menos de 6 meses) de aleitamento materno e o desenvolvimento de sobrepeso e obesidade, além do baixo peso ao nascer e essas doenças. Espera-se também que a intervenção prática seja de utilidade, contribuindo na redução da prevalência de crianças com sobrepeso e obesidade e suas consequências danosas ao organismo.


Palavras-chave


obesidade infantil; sobrepeso infantil; primeira infância