, Fórum PAS - Prática em Atenção à Saúde 2016

Tamanho da fonte: 
Capacitação da equipe de enfermagem da UBS Vila Sabiá com ênfase no embasamento teórico de puericultura, Sorocaba, SP
Frederico Grizzi de Campos, Giovanna Belluomini Mello, Henrique Costermani Ribeiro, Isabela de Paula Assad, João Paulo Lima Mourão, João Pedro de Giovani Menegat, João Pedro Franco Leal de Oliveira, Kaio Souza de Melo, Letícia Cavalaro Siqueira, Leticia Ciaravolo Gaspar, Leticia de Oliveira Guedes, Lucas Alves Franco

Última alteração: 2017-03-28

Resumo


Introdução: O trabalho cotidiano, quando repetitivo, - seja qual for a área de atuação – pode tornar-se automático e isso tem aspectos tanto positivos quanto negativos, dos quais, no primeiro caso, garante experiência, sensibilidade e mais habilidades, já no segundo caso acomete a atenção e qualidade da prática desenvolvida. Com o profissional de saúde, ao tornar-se mecanizada a rotina do atendimento, tende a culminar numa execução defasada, com comprometimento e um déficit no desempenho técnico, e isso tende a ter consequências relevantes em diversos aspectos na vida dos indivíduos. Bem como a mecanização, informações defasadas tem muito impacto na saúde dos indivíduos, pelo simples fato de que condutas corretas deixam de ser seguidas e aquelas de veracidade duvidosa podem acometer ao risco. Quando esses dois fatores, a mecanização e as informações desarranjadas, estão concomitantemente presentes, associam-se e somam-se suas características maléficas e prejudiciais para os receptores de tais indicações. Esses pontos contraproducentes, anteriormente citados, foram constatados durante a realização da pratica de puericultura na UBS Vila Sabiá, na cidade de Sorocaba, pelos médicos pediatras da unidade básica após a retomada do atendimento - visto que estes, dependendo do grau de risco apresentado pelo recém-nascido, interrompem o atendimento por determinado período de tempo onde, então, esse acompanhamento é feito pelos profissionais de enfermagem: técnicos, auxiliares e enfermeiros. Nesta perspectiva, a intervenção se baseou em sanar dúvidas e principais pontos comprometidos da devida consulta, para que a população assistida obtivesse o repasse correto e dispusesse de melhor qualidade de vida e saúde. Objetivos: Corroborar o embasamento teórico e corrigir informações acerca de puericultura da equipe de enfermagem da UBS Vila Sabiá, visando o repasse correto de informações aos responsáveis e cuidadores das crianças.  Materiais e Métodos: Foram capacitados 17 profissionais da saúde, sendo o público-alvo, os auxiliares e técnicos de enfermagem e os enfermeiros. O local considerado adequado para o desenvolvimento da atividade foi a própria UBS da Vila Sabiá, visto que, após avaliação prévia, esta dispunha de melhor estrutura e garantiria uma maior comodidade e a praticidade na atividade. Buscando garantir maior interesse e sanar dúvidas mais pontuais, foi elaborado um questionário com quinze questões, contendo as principais possíveis dificuldades – como, a “alimentação infantil, medidas de perímetro cefálico, avaliação da evolução da estatura e avaliação da evolução do peso, instruções em situações de doenças mais recorrentes de vias aéreas, instruir em casos de cólica, amamentação, ajudar com problemas dermatológicos, instruir em casos de doenças diarreicas, auxiliar em casos de febre, instruir na prevenção de acidentes, ajudar com a estimulação psicomotora e colocar valores de peso e estatura no gráfico” - e uma com campo aberto, onde poderia ser especificado deficiências mais específicas e pessoais, das quais foram citadas “avaliação da genitália” e “como se fazer compreender com o responsável da criança”. O ambiente foi preparado para o trabalho, com divisão dos grupos de trabalho, para a elaboração de material de capacitação, uniformização das informações que seriam trocadas entre os participantes, treinadores e treinandos, assim desenvolvendo os assuntos mais relevantes a serem tratados. A sala e equipamentos foram organizados com uma grande mesa no centro e cadeiras dispostas em um semicírculo. Ao se acomodarem no ambiente, foi solicitado que se dispusessem em grupos de três pessoas e foram entregues aos funcionários quatro placas com as letras A, B, C e D, para que levantassem a placa respectiva à alternativa correta. A apresentação foi apresentada em formato de slide, onde estes continham uma questão, que era introduzida por um dos instrutores, com as devidas alternativas, já no slide seguinte estava contida a resposta correta e era exposta uma breve explicação, a fim de elucidar o motivo de a alternativa específica estar correta ou errada. Ao final do da apresentação, foi feita a contagem dos pontos de cada um dos trios, onde foi aplicada premiação considerando as pontuações obtidas e o empenho do grupo. Em consequência dos horários de trabalho dos membros das equipes, foi necessário que fosse realizada a intervenção em dois momentos, permitindo abordar todos os participantes da área de enfermagem, que são responsáveis por promover as atividades relacionadas à puericultura, para que, desta maneira, garantíssemos a efetividade do trabalho. Passado o exercício teórico, foi disponibilizado um segundo questionário, buscando um retorno daqueles que eram considerados o público-alvo do projeto. O modelo utilizado foi constituído perguntas, como “quanto você aprendeu com o trabalho? ”, “qual a sua satisfação com o resultado final? ”, “o que você achou da atenção dos integrantes para com o projeto? ”, “achou o projeto produtivo? ”, “o que você achou da dinâmica interativa? ”). As respostas estavam relacionadas a uma escala numérica – indo de zero, que indica total insatisfação com a apresentação, e dez, que indica totalmente satisfeito com a apresentação - que representasse o grau de satisfação do determinado questionamento, além disso, havia uma questão que permitia que o indivíduo discorresse acerca de possíveis falhas ou para que fossem avalizadas como produtivas. Resultados: Foram abordados um total de onze profissionais na primeira atividade e dos seis outros na segunda, o que permitiu a participação de todos os dezessete funcionários, que estavam na roda de capacitação e que contribuíram ativamente da atividade. Contudo, o segundo questionário – aquele que avalia a efetividade do projeto – não apresentou a adesão esperada e, assim, a quantidade de respostas obtidas, foram apenas cinco. Com base nas respostas conseguidas, pode-se considerar que as ações efetuadas atingiram o objetivo principal, pelo menos, para os que responderam e pertencem a equipes de atuação na área da enfermagem, dado fato de o grau de satisfação destes, em todas as questões, giraram entre oito e dez nos valores da escala numérica, o que muito significou para os instrutores da capacitação. Na questão que instigava o indivíduo a discursar acerca da dinâmica, foram levantados alguns pontos, dos quais destacaram-se: “Enquanto participei não ouvi sobre a amamentação! Acho que seria interessante”; “Faltou ter esse conteúdo para palestrar com as mamães”; “Faltou apenas referências do conteúdo abordado! ”. Entretanto, foi causa de estranhamento esta manifestação, em relação à amamentação, haja visto que cinco das dezoito perguntas/explicações abarcavam e explanavam acerca do aleitamento materno. Conclusão: O presente trabalho cumpriu sua proposta de corroborar com o embasamento teórico, aprimorando informações acerca de puericultura, para a equipe de enfermagem da UBS Vila Sabiá. Acredita-se que os assuntos abordados confluam em um repasse correto de informações aos responsáveis e cuidadores das crianças, assistidas na Unidade Básica de Saúde, do Vila Sabiá. Também fica a percepção de que a capacitação, como educação permanente, deva ter continuidade, com mais profissionais participando dessa roda, garantindo que informações ainda não assimiladas possam ser compreendidas e incorporadas, contribuindo na formação de pessoas que trabalham em saúde e que tem responsabilidade na melhoria da qualidade de vida da população.


Palavras-chave


capacitação; enfermagem; puericultura