, Fórum PAS - Prática em Atenção à Saúde 2017

Tamanho da fonte: 
Atualização dos profissionais da saúde quanto a abordagem das principais doenças psiquiátricas na Atenção Primária à Saúde (APS)
Tatchia Puertas Garcia Poles, Leonardo Hideki Ikeda, Letícia Buzacarini Alvim, Letícia Cavalaro Siqueira, Letícia Ciavorolo Gaspar, Letícia de Oliveira Guedes, Lucas Alvario Marques, Lucas Alves Franco Barbosa

Última alteração: 2017-12-07

Resumo


Introdução: Na atenção primária, constituída como primeiro nível de atenção, reorganizada através da Estratégia de Saúde da Família, tem como processo de trabalho aprofundar os princípios, diretrizes e fundamentos da atenção básica. Essa estratégia é composta por equipe multiprofissional e, hoje em dia, acabou recebendo como parte dela médico do Programa Mais Médicos. Programa este criado em 2013, com finalidade de reduzir a carência dos médicos e expandir a infraestrutura física da oferta de saúde nas regiões prioritárias. Em Sorocaba, após denúncias no ano de 2011, revelando mortes e violência contra pacientes com transtornos mentais em sete hospitais da cidade e proximidades, iniciou-se uma implantação de rede de atenção psicossocial, de acordo com os princípios da Reforma Psiquiátrica. Passando a contar com Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Unidade de Acolhimento, Consultório na Rua, 20 serviços residenciais terapêuticos e uma Central de Regulação Municipal. Contudo, o fluxo de pacientes advindos dessas instituições aumentou muito nas UBSs, além de já ter que lidar com os pacientes psiquiátricos de sua própria área de abrangência. Porém, nota-se ainda, que os profissionais não receberam a capacitação necessária para atender a esta alta demanda dos pacientes psiquiátricos.  O objetivo deste trabalho é qualificar preceptores e residentes de Medicina da Família e Comunidade da Prefeitura Municipal de Sorocaba e PUC –SP e de médicos do Programa Mais Médicos, quanto ao diagnóstico e tratamento dos transtornos mentais mais comuns na atenção básica. Método: Um questionário foi produzido para identificar as principais dificuldades dos preceptores e residentes de Medicina da Família e Comunidade da Prefeitura Municipal de Sorocaba e PUC –SP e médicos do Programa Mais Médicos ao lidar com diagnóstico e com o tratamento dos doentes mentais. Aplicado no dia 19/10/2017 pelo Google Drive e enviado por email para o grupo alvo. Com os resultados do questionário foi possível a preparação de uma aula voltada para as maiores dificuldades identificadas pelo formulário aplicado. A aula foi realizada no dia 6/11/2017 na Faculdade de Medicina de Sorocaba e tinha como tema os principais transtornos psiquiátricos e como diagnosticá-los. No final da aula foi aplicado outro questionário com o intuito de avaliar o nosso projeto intervencionista e como ele auxiliou os participantes presentes. Resultados: No período de 19 de outubro de 2017 a 05 de novembro de 2017, foi aplicado o questionário produzido para identificar as principais dificuldades dos preceptores e residentes de Medicina da Família e Comunidade da Prefeitura Municipal de Sorocaba e PUC – SP e médicos do programa Mais Médicos  ao lidar com diagnóstico e com o tratamento dos doentes mentais. O questionário foi aplicado através do Google Forms e o número total de respostas foi 23 (n=23). Foi composto de 4 questões principais como as principais dificuldade em relação a doenças psiquiátricas na Atenção Básica, quais as doenças psiquiátricas que os participantes tinham mais contato e experiência, quais os fármacos psicotrópicos mais prescritos e os temas que gostariam que fossem abordados durante a capacitação. A primeira questão, sobre as principais dúvidas em relação ao tema, foi analisada e as principais dificuldades encontradas foram o diagnóstico das diferentes doenças psiquiátricas e interação da Atenção Primária com a rede de apoio da saúde mental do município (100%), seguida por efeitos colaterais dos fármacos psicotrópicos e acerto de dose (86,9%), interação medicamentosa (73,9%) e desconhecimento das diversas classes dos fármacos psicotrópicos (17,4%). Em relação à segunda questão, sobre a experiência dos participantes com as diversas doenças psiquiátricas, a principal assinalada foi o Transtorno de Ansiedade (100,0%) seguida por Depressão (91,3%), Esquizofrenia (86,9%), Transtorno obsessivo compulsivo (65,2%) e Transtorno afetivo bipolar (39,1%). Já na terceira questão, sobre os fármacos psicotrópicos mais prescritos, obtivemos os seguintes resultados: Antidepressivo e Ansiolítico (100,0%), Antipsicotico (60,8%) e Estabilizador de humor (34,8%). Em relação a última questão, era uma questão aberta, para que os participantes sugerissem algumas ideias de temas para a capacitação. Dentre eles, os mais citados foram: ideias para interação entre equipes UBS e CAPS, abordagem e tratamento das principais doenças psiquiátricas e abordagem sobre a efetividade do matriciamento realizado da Atenção Primária. Com os resultados do questionário foi possível a preparação de uma aula voltada para as maiores dificuldades identificadas pelo formulário aplicado. A aula foi realizada no dia 6/11/2017 na Faculdade de Medicina de Sorocaba e tinha como tema os principais transtornos psiquiátricos e como diagnosticá-los. No final da aula foi aplicado outro questionário com o intuito de avaliar o nosso projeto intervencionista e como ele auxiliou os participantes presentes. O número de respostas foi 5 (n=5). Foi composto de 5 questões, sendo 4 para avaliar o projeto de 0 a 10 e 1 questão aberta com sugestões de melhoria para o projeto. Já em relação a última questão, as principais sugestões foram: realização de mais eventos com este tema, como simpósios, atualizações, encontros frequentes para discussão de casos; nova aula sobre quadro clínico, diagnóstico e tratamento da Síndrome do Pânico, esquizofrenia e temas como suicídio e desenvolver sobre a Saúde Mental da Criança. DISCUSSÃO: Com o advento da Reforma Psiquiátrica por volta de 1980 no Brasil, assim como no contexto mundial, novas abordagens terapêuticas de assistência psiquiátrica referentes à loucura começaram a ser implementadas. Este movimento inovador baseava-se na reivindicação dos direitos humanos dos portadores de transtorno psíquico, e na proposta de oferecer a estas pessoas em sofrimento uma atenção em saúde mental humanizada. Nesse modelo diferenciado propôs-se perceber o indivíduo em seu aspecto integral, contemplando sua globalidade e contexto, como família e a comunidade na qual está inserido, a fim de abolir o estigma da exclusão e marginalização, a falta de suporte familiar ao cuidado do portador de sofrimento psíquico, e principalmente, a elevada quantidade de internações. A crítica ao modelo de atenção e assistência em saúde mental, centrado no hospital, e a defesa do direito ao exercício da cidadania são as principais mudanças propostas pela Reforma Psiquiátrica no Brasil.  Assim, propõe a criação de serviços de atenção integral à saúde mental e a participação de diferentes atores sociais nesse processo, como a família e a comunidade. Com essa abordagem propusemos capacitar os profissionais da atenção primária da saúde a fim de atender a grande demanda dos pacientes psiquiátricos, obtivemos como resultado positivo o entendimento das necessidades individuais de profissional presente na intervenção, uma vez que o número reduzido de pessoas permitiu realizar uma roda de conversa na qual estes puderam expor suas dúvidas de forma que a palestrante, Dra. Marcia Cliquet, pode atender de forma personalizada cada um deles. Essas dúvidas giravam em torno de dificuldades na aplicação correta da Estratégia Saúde da Família, envolvendo problemas que seriam facilmente solucionados com uma visita domiciliária bem-feita. Devido à nossa baixa experiência na organização de eventos de grande porte, cometemos algumas falhas durante a divulgação do evento, o que associado a limitada disponibilidade de datas; tanto de professores para ministrar a aula planejada, quanto dos convidados; deu vazão a uma baixa adesão de médicos da atenção primária à saúde. Por conseguinte, houve uma mudança na conformação da intervenção, o que resultou na fuga do foco primário do tema da aula, que seria sobre os fármacos mais utilizados na psiquiatria e o uso correto deles, visto que no questionário inicial verificamos que havia uma demanda por um maior conhecimento desses para que seja feito o correto manejo desses medicamentos durante o tratamento das doenças. Ao final do projeto, mediante a um questionário final respondido pelos profissionais presentes, verificamos uma grande demanda na realização de novas aulas para os profissionais da atenção primária à saúde no município de Sorocaba sobre: a abordagem da saúde mental com a criança; a abordagem da saúde mental com a família; patologias psiquiátricas como síndrome do pânico, esquizofrenia e suicídio. Dessa forma, pudemos perceber a grande relevância de se discutir esse tema com os profissionais da saúde e o impacto que essa intervenção irá surtir para a sociedade, na medida em que ao sanar as dúvidas mais imediatas dos profissionais, possibilitamos a mudança da visão dos problemas diários referentes ao manejo de pacientes já em tratamento de patologias psiquiátricas, colaborando para a atenção integrativa. Porém é visto que há a necessidade de trabalhos futuros, que busquem tratar novos problemas relacionados a esse tema, como a realização de congressos, simpósios e encontros voltados a aplicação da psiquiatria na atenção básica, bem como uma maior valorização desse tema tanto no curso de medicina, como nos cursos de residência e especialização médica.


Palavras-chave


atenção primária; transtornos mentais; diagnóstico; tratamento